Cão é salvo do sacrifício por homem que viajou mais de 300 km para adotá-lo

Um cachorro que estava prestes a ser sacrificado teve a vida salva por um homem que viajou mais de 300 quilômetros para adotá-lo. O caso aconteceu nos Estados Unidos.

Foto: David Sebba

Royce, como é chamado o cão, foi encontrado em situação de abandono em Miami, na Flórida. Levado a um abrigo, ele foi adotado e devolvido duas vezes, o que fez com que a instituição o considerasse inadotável e decidisse sacrificá-lo. As informações, do The Dodo, foram traduzidas pelo portal Histórias com Valor.

Comovido com a história do cachorro, um voluntário do abrigo decidiu divulgar o caso na internet. Foi então que David Sebba soube de Royce e decidiu viajar para adotá-lo. “Eu estou supondo que ele foi adotado, porque ele tem um rosto bonito, mas infelizmente, com esse rosto vem muita energia”, disse David Sebba, o novo pai de Royce, ao The Dodo. “Ele é muito impulsivo e extremamente inteligente. Essa é a fórmula para um cão que precisa de muita supervisão e limites!”, completou.

Foto: David Sebba

“Ele tem esse sorriso natural que realmente me impressionou”, disse Sebba. “É difícil de explicar. Eu sabia que, como cão devolvido, suas chances de sair de novo eram pequenas, então tomei a decisão de adicioná-lo à nossa família”, acrescentou.

Para adotar o animal, Sebba, que mora em Orlando, dirigiu até Miami. “Eu me lembro de estar preocupado que eu não iria chegar a tempo”, contou. Chegando ao local, o homem oficializou a adoção e colocou Royce no carro para levá-lo para o novo lar. Ansioso, o cão andava de um lado para o outro em cima do banco do automóvel.

Ao chegar em casa, Royce conquistou totalmente a esposa de Sebba. “Quando ele entrou pela primeira vez, ele imediatamente encontrou uma bola de tênis com a qual nosso outro cachorro brincava e correu [sobre] o nosso lugar como um louco”, disse Sebba. “Minha esposa não sabia que eu estava recebendo Royce e lembro-a de pensar que a bola de tênis pode ter sido seu primeiro brinquedo de sempre”, afirmou.

Foto: David Sebba

Apesar de tudo estar correndo bem, a presença de gatos na casa e o comportamento agitado de Royce preocupou o tutor. Isso porque ele temia que o cão pudesse machucar os gatos ao tentar brincar com eles. Por isso, ele decidiu levar o cachorro para viver com sua mãe, que até então morava sozinha em uma casa em Orlando. A ideia funcionou e hoje a mulher e o cão são amigos inseparáveis.

“Ele adora caminhadas, mas na maioria das vezes só quer estar no ar condicionado com uma barriga cheia e um bom sofá e um ser humano ao lado”, disse Sebba. “Estou tão feliz que consegui manter minha promessa para ele e tenho tanta sorte que minha mãe e ele se dão bem na medida em que o fazem. Apesar de não estar perto dele diariamente, eu penso nele o tempo todo e o quanto ele mudou minha vida através de sua resiliência, apesar de todas as adversidades que ele enfrentou”, concluiu.

Foto: David Sebba


Fonte: R7