Deputados trocam socos em briga dentro do Parlamento de Uganda

0

Congressistas brigaram dentro do parlamento de Uganda pelo segundo dia nesta quarta (27) durante uma polêmica discussão para alterar a Constituição e permitir que o presidente Yoweri Museveni concorra à reeleição após completar 75 anos.

Os deputados trocaram socos e chutes, com alguns usando pedestais de microfones como armas, e ao menos duas deputadas tiveram que ser carregadas para fora do salão após desmaiarem, segundo um jornalista da Reuters que estava no local.

Ao menos 25 deputados que se opuseram à emenda constitucional para prolongar o mandato de Museveni foram expulsos por ordem do presidente da sessão por terem se envolvido em uma briga na terça. Todos os outros deputados que os apoiavam também deixaram o local.

Depois que a calma retornou, o representante do partido governista Raphael Magyezi apresentou a polêmica proposta que autoriza o parlamento a elaborar uma lei que iria elevar o limite de idade para candidatos à presidência.

A moção foi aprovada, disse à Reuters o diretor de comunicações do parlamento Chris Obore, acrescentando que Magyezi teria cerca de um mês para submetê-la à primeira leitura na Câmara.

Sob a atual Constituição, há um limite de 75 anos para que um candidato possa ser eleito no país do leste africano.

Isso torna Museveni, que tem 73 anos e está no poder desde 1986, cada vez mais acusado de autoritarismo e de fracassar em coibir a corrupção, desqualificado para buscar a reeleição na próxima votação, em 2011. Remover o limite de idade eliminaria essa barreira.

A proposta, ecoando passos de outros veteranos líderes africanos que evitam limites legais em seus mandatos, encontrou grande resistência dos ativistas de direitos humanos, partidos de oposição, líderes religiosos e mesmo alguns membros do partido de Museveni.

As primeiras trocas de soco surgiram no parlamento em Kampala na terça, levando o regulador de comunicações em Uganda a banir transmissões ao vivo de eventos que “incitassem o público”.

“Insegurança pública”

Em um comunicado na quarta, a Comissão de Comunicações de Uganda disse que estações de rádio e TV deveriam parar de transmitir ao vivo eventos que estão “incitando o público, discriminando, estimulando o ódio, promovendo a cultura da violência…e que provavelmente criam insegurança pública”.

Nenhuma emissora exibiu a sessão de quarta, mas algumas postaram clipes da briga em seus perfis no Twitter.

Fonte: G1

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here