Desnutrição aguda atinge 25% dos refugiados rohingyas menores de 5 anos, diz Unicef  

0

Pelo menos 25% dos refugiados rohingyas menores de cinco anos sofrem desnutrição aguda e metade deles padece de anemia, segundo um estudo realizado pela Unicef nos campos de refugiados em Bangladesh.

A porcentagem de 25% supera amplamente o limite de 15% que a Organização Mundial da Saúde (OMS) considera como uma emergência, segundo especificou nesta sexta-feira (22) em entrevista coletiva o porta-voz do Unicef, Christoph Boulierac.

O mesmo relatório revela que 40% das crianças refugiadas menores de cinco anos sofrem diarreia – uma das duas principais causas de morte nesta faixa de idade – e 60% padece de infecções respiratórias agudas.

No último dia 25 de agosto o exercito de Mianmar iniciou uma nova campanha de repressão contra os rohingyas que acabou com pelo menos 7.000 deles mortos, segundo organizações não governamentais, e obrigou outros 640.000 a refugiar-se em Bangladesh, em atos de violência que segundo a ONU têm as caraterísticas de um genocídio.

Menos de 16% dessas crianças consome uma quantidade aceitável de comida, o que está afetando dramaticamente seu desenvolvimento físico e psicológico, segundo o relatório do Unicef.

A investigação mostra que 30% dos bebês de menos de seis meses não é alimentado exclusivamente por leite materno, como sugere a OMS.

Problemas com leite e acesso à água

A falta de leite para amamentar é uma das consequências regulares em mães que sofreram traumas e estresse extremo, como o caso das refugiadas rohingyas.

O acesso à água potável e ao saneamento continua sendo um dos principais problemas nos campos de refugiados, dado que as crianças são muito suscetíveis a contrair doenças contagiosas devido à água contaminada.

Os refugiados devem fazer longas filas para ter acesso às latrinas, o que faz com que muitos defequem em campo aberto e se aumente o risco de infecções.

Perante a falta de água as crianças fazem longas caminhadas para obtê-la, o que lhes impede de frequentar os poucos centros educativos ou de lazer disponíveis.

Fonte: G1

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here