Limpeza é iniciada em área de incêndio na Zona Sul de Macapá e famílias recebem aluguel social

0

Segundo a Defesa Civil do estado, a limpeza no local é primordial por se tratar de área de ponte e, com a obstrução do canal por entulhos, o risco de alagamento é muito grande no período das chuvas. O órgão adiantou que, pelo menos, quatro casas poderão ser reconstruídas futuramente na região. Os entulhos retirados foram levados para o aterro sanitário.

“Foi feito um levantamento na área em que 9 casas foram parcialmente e totalmente destruídas. Estamos fazendo a demolição daquelas em que não há mais condições para recuperação e quatro famílias já receberam o parecer para reconstruir os locais em que há condições de habitação”, disse o chefe de operações da Defesa Civil, Major Pelsondré Martins.

Um levantamento da prefeitura de Macapá apontou que 13 famílias, com aproximadamente 80 pessoas, ficaram desabrigadas após o incêndio. As vítimas fizeram, nesta terça-feira, cadastros na para receber o benefício de aluguel social.

Segundo a titular da Sims, Nazaré Farias, as famílias serão inseridas em programas sociais e as que perderam totalmente as casas receberão moradias em conjuntos habitacionais. Uma das famílias já foi contemplada para o Residencial Jardim Açucena, localizado na Zona Sul.

“Além disso, estamos fazendo atendimentos para todos os moradores que perderam documentos para que emitam outras vias gratuitamente. Eles podem se dirigir na rede SuperFácil e terão prioridades nos serviços”, destacou a secretária.

De acordo com o titular da Secretaria Municipal de Assistência Social e do Trabalho (Semast), Lucas Abrahão, as vítimas também serão inseridas no Cadastro Único (CadÚnico) para se tornarem beneficiárias de programas sociais, como o “Bolsa Família”, do Governo Federal.

Uma das vítimas foi o mestre de obras Francisco Borges, de 48 anos. Ele teve a casa parcialmente atingida e ressalta que muitos eletrodomésticos foram perdidos por causa das chamas. O prejuízo é calculado em aproximadamente R$ 15 mil, segundo ele.

“Estamos usando a parte onde não queimou para nos abrigarmos, mas a situação está difícil. Moro aqui há 29 anos e infelizmente tivemos um grande prejuízo por conta das perdas materiais, especialmente em móveis e eletrodomésticos”, lamentou.

Fonte: G1

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here