Trump 'descertificará', mas não abandonará acordo nuclear com Irã, diz secretário

0
O presidente dos EUA Donald Trump durante pronunciamento na Casa Branca, em Washington, nesta quinta-feira (12) (Foto: Kevin Lamarque/Reuters)O presidente dos EUA Donald Trump durante pronunciamento na Casa Branca, em Washington, nesta quinta-feira (12) (Foto: Kevin Lamarque/Reuters)

O presidente dos EUA Donald Trump durante pronunciamento na Casa Branca, em Washington, nesta quinta-feira (12) (Foto: Kevin Lamarque/Reuters)

O presidente americano Donald Trump vai dizer nesta sexta-feira (13) que o acordo nuclear com o Irã não segue mais os interesses de segurança dos Estados Unidos. O anúncio, no entanto, não acabará com o pacto ou retomará imediatamente as sanções ao país, segundo declaração do secretário de Estado Rex Tillerson citada por agências internacionais.

“A intenção é que permaneceremos no JCPOA, mas o presidente vai descertificar”, disse o secretário, referindo-se ao acordo multilateral firmado em 2015, segundo a France Presse. Ele indicou que o futuro do texto ficará agora nas mãos do Congresso.

Trump fará o anúncio em discurso na Casa Branca às 13h45 (horário de Brasília). Ele deverá detalhar, segundo Tillerson, uma abordagem mais combativa em relação ao Irã e seus programas nuclear e de mísseis balísticos, além de seu apoio financeiro e militar a grupos extremistas no Oriente Médio.

A lei obriga o presidente a certificar ou não no Congresso, a cada 90 dias, que Teerã respeita o acordo e que este é do interesse dos EUA. Se a “descertificação” se confirmar, caberá ao Congresso decidir reintroduzir as sanções ou modificar a legislação que rege a participação dos EUA no acordo. Os legisladores terão 60 dias para avaliar o assunto.

Desde a campanha presidencial, Trump faz duras críticas ao acordo nuclear firmado pela administração de Barack Obama. “É o pior acordo”, disse o republicano nesta quarta (11), criticando “a fraqueza” do governo anterior frente a Teerã.

O presidente americano está muito isolado sobre o tema. Além de Teerã, os demais signatários do texto – Moscou, Pequim, Paris, Londres e Berlim – já advertiram sobre as consequências imprevisíveis de mudar o que foi acordado.

No discurso, Trump também dará ao Departamento do Tesouro dos EUA maior autoridade para impor sanções econômicas contra pessoas e entidades ligadas às forças militares iranianas, a Guarda Revolucionária, em resposta ao que Washington chama de esforços para desestabilizar e enfraquecer seus adversários no Oriente Médio.

Fonte: G1

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here