Evento com toque de campainha de abertura do
pregão marcou a oferta pública da Mosaico (Créditos: Cauê Diniz/Divulgação)

SÃO PAULO – Marcada por recomendações positivas com o início de cobertura por diversos bancos e pela forte alta na estreia de suas ações (de 96%), a Mosaico  (MOSI3), dona dos sites Buscapé, Zoom e Bondfaro, tiveram queda expressiva de suas ações, acima de 11%, na sessão desta sexta-feira (26), após divulgar o seu resultado, o primeiro após a abertura de capital (IPO, na sigla em inglês). Os papéis MOSI3 fecharam em forte queda de11,67%, a R$ 21,20.

Os números foram considerados fracos e abaixo do crescimento registrado por empresas de capital aberto no período. Porém, de acordo com analistas, um balanço fraco já era esperado, mas as expectativas para 2021 seguem positivas, principalmente com as iniciativas que estão no radar.

A companhia teve lucro líquido de R$ 26,5 milhões no quarto trimestre de 2020, 57,2% menor na comparação anual. De acordo com a companhia, o resultado foi impactado pela compra do Buscapé e o efeito do imposto diferido decorrente do prejuízo fiscal de exercícios anteriores. Ajustando por esse efeito, o lucro foi 36,4% menor. No ano, o lucro líquido foi de R$ 60,4 milhões, queda de 5,5% ante 2019.

A receita líquida teve alta de 29,5% nos últimos três meses do ano, a R$ 70,6 milhões; em 2020, a alta foi de 103,1%, a R$ 113,8 milhões. Já o Ebitda foi de em R$ 12 milhões no trimestre, queda de 77,7% ante 2019. Enquanto isso, aponta o Itaú BBA, as despesas com marketing e aquisições pressionaram a margem Ebitda [Ebitda/receita líquida].

As vendas brutas totais (GMV, na sigla em inglês) originadas para os lojistas parceiros totalizaram R$ 1,2 bilhão no período, alta de 37,3% no comparativo anual, enquanto a média de visitantes únicos cresceu 40,9%, para 30,5 milhões. Para efeito de comparação,  o mercado de e-commerce cresceu 32% na base anual no período, segundo dados da Ebit/ Nielsen.

Segundo a XP, a Mosaico reportou resultados fracos referentes ao quarto trimestre de 2020, mas em linha com as estimativas de receita e Ebitda e com lucro bastante acima do esperado pelos analistas por conta de um impacto positivo não recorrente de um imposto diferido decorrente do prejuízo fiscal de exercícios anteriores.

“Já esperávamos um resultado mais fraco, com uma desaceleração de crescimento relevante, por conta da antecipação de consumo da categoria de eletrônicos e linha branca ao longo do ano, levando a um perfil de compras atípico na Black Friday (maior participação de categorias com preços menores como vestuário, cama/mesa/banho e beleza e saúde)”, avalia.

Isso se traduz em uma base forte de comparação de resultados, com o quarto trimestre de 2019 tendo representado cerca de 50% da receita de 2019 versus o quarto trimestre de 2020 em 30%. Além disso, os preços da categoria foram impulsionados pela desvalorização do real, o que combinado uma dificuldade de reposição de estoque por conta de impactos na produção da indústria decorrente do Covid-19, levaram os consumidores a postergarem sua decisão de consumo, apontam os analistas.

Contudo, Danniela Eiger, Thiago Suedt e Gustavo Senday, analistas de varejo da XP, veem uma tendência positiva para frente devido: i) à sinalização dos principais players de e-commerce de uma manutenção de forte crescimento de GMV de primeiro trimestre de 2021; ii) demanda reprimida da categoria de eletrônicos e linha branca evidenciada pela forte crescimento de criação de alertas em novembro e dezembro de 2020; iii) a indicação de que o ambiente competitivo acirrado do setor de e-commerce favorecendo players como a Mosaico (que geram tráfego para eles); e iv) a observação de uma atividade promocional mais intensa ao redor da Semana do Consumidor, o que pode favorecer a conversão de vendas pelos consumidores.

Iniciativas no radar

O Itaú BBA aponta ainda que, se por um lado os resultados da Mosaico foram marcados por um crescimento inexpressivo do GMV, principalmente quando em comparação com as principais plataformas de mercado e o desempenho do setor de comércio eletrônico como um todo, por outro a expectativa é de que haja mudanças em 2021. Elas devem transformar significativamente as perspectivas de crescimento nos próximos trimestres versus os resultados reportados.

A XP e o Itaú BBA destacam entre as iniciativas o plano de lançar o serviço de cashback em maio.  O objetivo é aumentar a presença da empresa na fase final da jornada de compras permitindo incrementar o GMV originado para os lojistas parceiros, elevar a recorrência das visitas em suas plataformas e aumentar a quantidade de dados sobre os consumidores.

Também está no radar o início de produção de conteúdo no Buscapé, o que deve contribuir para maior retenção de tráfego orgânico na plataforma e o reforço das informações disponibilizadas dos varejistas, incluindo dados como frete e promoções.

Assim, ambas as casas estão otimistas com o case de investimentos na companhia. A XP tem recomendação de compra e com preço-alvo para o fim de 2021 de R$ 38 por ação para MOSI3, ou um potencial de alta de 58,33% frente o fechamento de R$ 24 da véspera. Já o BBA tem recomendação outperform (desempenho acima da média do mercado), com preço-alvo de R$ 39, ou um potencial de alta de 62,50%.

Participe do Treinamento gratuito Scalper Pro e entenda como extrair lucro e controlar riscos na Bolsa em operações que duram minutos ou segundos! Inscreva-se aqui.

Conteúdo retirado do site: InfoMoney