Nesta quarta-feira, os sinais de redução na oferta de cacau na Costa do Marfim, país que lidera a produção global, puxaram para cima as cotações da commodity na bolsa de Nova York. Os lotes com vencimento em março fecharam o pregão a US$ 2.677 a tonelada, alta de 3,71% (US$ 96). Os papéis de segunda posição, para maio, subiram 2,63% (US$ 64), para US$ 2.494 a tonelada.

Conteúdo retirado do site: Valor