O provável arrefecimento do ritmo de recuperação da produção de suínos da China não deverá prejudicar sua demanda por grãos. O Rabobank, por exemplo, estima que o consumo de ração no país aumentará de 7% a 8% em 2021, para até 360 milhões de toneladas. O consumo de farelo, por sua vez, deverá aumentar 6% no ano, para 76 milhões de toneladas. Para atender à demanda, o país terá que importar nada menos do que 100 milhões de toneladas de soja em grão neste ano.

Conteúdo retirado do site: Valor