Motoristas de caminhões tanques ameaçam bloquear a balsa no Madeira

A travessia de veículos na balsa do Madeira, pela BR 364, entre Rio Branco e Porto Velho, pode ser interrompida na próxima semana por motoristas de caminhões tanque que transportam cargas perigosas.

Os profissionais reclamam do perigo e das péssimas condições operacionais que a empresa que administra as balsas oferece atualmente para atravessar para o Acre os veículos de grande porte.

Em vídeos enviados à reportagem, os motoristas mostraram como vem sendo feita a retirada dos caminhões das balsas. A empresa usa uma pá carregadeira e um cabo de aço para puxar os veículos, uma manobra arriscada e perigosa.

Travessia de tanqueiros é feita por porto alternativo/Foto: cedida

O embarque e desembarque desses veículos vendo sendo feito em um porto alternativo, que tem uma ladeira bem inclinada e dificulta a saída.

Adecarlos Queiróz, motorista que há trinta anos atua neste trecho disse que a operação para puxar os carros pode resultar um acidente ambiental ou até uma explosão.

Se chegar a soltar o cabo, aquilo arranca a tampa e o produto pode derramar no rio e ainda tem o risco de explodir. Já teve caminhão que quase caiu no rio. Lá é um porto improvisado e cada dia que o nível das águas baixa, fica mais complicado para embarcar e desembarcar”, reclamou.

Queiróz disse que a reivindicação dos tanqueiros é para que a empresa que administra as balsas faça o embarque e desembarque dos carros com carga perigosa no mesmo porto por onde passam os demais veículos.

Segundo ele, apesar dos insistentes pedidos, a gerência ignorou o apelo da categoria. Sem uma resposta, os tanqueiros pretendem bloquear, na próxima semana, os acessos nas duas margens do rio bloqueando qualquer travessia no Madeira.

Falamos com o gerente e ele nem deu atenção, pelo contrário, ficou irritado com nossa reivindicação. Do jeito que está, infelizmente não há como continuar trabalhando. Eles podem mudar nossa travessia para o porto convencional, não haveria problemas porque a carga perigosa é transportada em uma balsa exclusiva. Se ninguém se manifestar, nós vamos bloquear os dois lados”, garantiu o caminheiro.

De acordo com o Sindicato dos Postos de Combustíveis, cerca de cem caminhões tanques fazem a travessia diária entre Rondônia e Acre pelas balsas do Madeira. A taxa é de R$ 162,00 por caminhão.

FONTE: RONDONIAOVIVO

Deixe seu comentário