A Procuradoria entende que o caso deve tramitar na Procuradoria da República do DF porque, com a saída do cargo, Pazuello não tem mais foro privilegiado.

Agora, cabe ao relator do caso, ministro Ricardo Lewandowski, avaliar o pedido da PGR e os desdobramentos da investigação.

O inquérito foi aberto em janeiro após pedido da procuradoria-geral da república. Pazuello passou a ser investigado pela Polícia Federal.

Lewandowski autoriza abertura de inquérito sobre conduta de Pazuello na crise do AM

Lewandowski autoriza abertura de inquérito sobre conduta de Pazuello na crise do AM

A PGR apontou indícios de que ele sabia do iminente colapso no desabastecimento de oxigênio medicinal em Manaus, que levou a mortes desde dezembro, mas só enviou representantes em janeiro. Além disso, aponta atraso no envio do oxigênio.

Segundo a PGR, mesmo já sabendo do problema, o ministério providenciou a entrega a Manaus de cloroquina, medicamento sem comprovação científica para tratar a Covid-19 mas cujo uso vem sendo defendido pelo presidente Jair Bolsonaro.

O STF entende que as investigações devem permanecer na Corte quando os fatos investigados tiverem relação com o mandato ou tiverem sido cometidos em função do cargo.

O ex-ministro prestou depoimento no dia 4 de fevereiro sobre a crise em Manaus e mudou a versão sobre quando soube do problema. Antes do depoimento ele tinha dito que tinha sido avisado no dia 8 de janeiro, mas na PF disse que foi em 10 de janeiro.

Com isso, também contradisse a própria Advocacia-Geral da União (AGU) que, em documento oficial enviado ao Supremo, comunicou que o Ministério da Saúde ficou sabendo da falta de oxigênio em Manaus no dia 8 de janeiro, por meio da empresa White Martins, fabricante do produto.

Em outra ocasião, uma outra data foi dada pelo Ministério da Saúde, em nota: 11 de janeiro.

A PF perguntou a Pazuello sobre o recebimento desse documento da White Martins notificando sobre a possível falta de oxigênio. Pazuello explicou que o documento nunca foi entregue oficialmente ao ministério, e que empresa nunca realizou contatos informais com representantes da pasta.

Mas, em entrevista no dia 18 de janeiro, o ministro já tinha dito que foi avisado pela empresa, no dia 8 de janeiro, sobre o problema em Manaus.

Vídeos: assista a mais notícias sobre o colapso da saúde em Manaus

Conteúdo retirado do site: G1 da Globo